A hidráulica aplicada ao tratamento de água

A hidráulica compreende o estudo do comportamento da água, fluidos e de outros líquidos, diante de situações de repouso ou movimento. Dessa forma, ela pode ser aplicada enquanto conhecimento científico da mecânica da água de dos fluidos, por meio da observação dos fenômenos envolvendo o estado líquido das substâncias.

Diante disso, a hidráulica é usada como estudo de muitas atividades humanas, bem como em sistemas industriais e para o tratamento de efluentes. A aplicação deve-se à precisão da hidráulica, que é capaz de minimizar as perdas de cargas, energia e reduzir os custos de produção.

Além disso, as estações de tratamento operam basicamente com água, o que faz da hidráulica um sistema indispensável para a operação desses locais.

O funcionamento das estações de tratamento de efluentes

A água é um dos bens mais importantes para a humanidade. Não há como falar de vida ou de desenvolvimento sem a água. Por esse motivo, grande parte das cidades conta com sistemas de abastecimento, oriundo de rios, lagos, mares, lençóis freáticos, entre outros.

O acesso à água tratada é um direito, por isso, obedece aos parâmetros de qualidade de vida e padrões descritos pela Portaria nº 2.914 de 12 de dezembro de 2011 do Ministério da Saúde. Isso quer dizer que todos os processos de abastecimento e tratamento são controlados por normas e procedimentos, que asseguram a qualidade e a integridade da água.

Nesse sentido, os sistemas de abastecimento e tratamento de agua são definidos como um conjunto de obras, equipamentos e serviços, que tem como principal função distribuir água limpa e, até mesmo, potável (própria para consumo humano).

De maneira geral, esses sistemas operam nas seguintes etapas:

  • Captação da água;
  • Adução da água bruta;
  • Tratamento e reservação;
  • Distribuição da água tratada;
  • Medição e fornecimento à população.

Além do tratamento da água, é preciso considerar os sistemas de tratamento de efluentes industriais, diante da responsabilidade ambiental das fábricas e indústrias, que estão entre as principais poluidoras das fontes de água para a população.

Anualmente, o setor industrial despeja milhares de rejeitos tóxicos nas águas, por esse motivo, a legislação brasileira passou a ser rigorosa quanto aos métodos de tratamentos dos efluentes.

O tratamento de efluentes industriais é realizado de acordo com as características físicas, químicas e biológicas dos resíduos, as características dos poluentes e as possibilidades de remoção. Ou seja, o processo é feito conforme as especificações da carga poluidora e a presença de contaminantes.

Para isso, é necessário fazer a coleta de uma amostra dos efluentes, enviar para a análise e, assim, escolher o tratamento ideal.

Os processos podem ser físicos, químicos ou biológicos, para a remoção de matéria orgânica ou inorgânica.

O tratamento de efluentes industriais é realizado em Estações de Tratamento de Efluentes (ETEs) ou Estações de Tratamento de Água (ETAs), e demandam a aplicação de substâncias, bem como o trabalho de especialistas, equipamentos especiais e componentes como o filtro de agua.

Filtros usados no tratamento de água e de efluentes industriais

As Estações de Tratamento de Água e Efluentes utilizam uma série de equipamentos, componentes, substâncias e dispositivos para realizar a limpeza dos fluidos e a distribuição de uma água de qualidade, com retirada dos poluentes.

Nesse contexto, os filtros merecem destaque, como os principais itens de atuação das ETEs e ETAs.

O filtro para remoção de ferro e manganês é especialmente aplicado para a remoção dessas substâncias, que são muito comuns nos processos industriais.

O ferro dá uma cor amarelada à água e, se encontrado em excesso, pode causar manchas em pias, privadas, tecidos e roupas. Além disso, a substância é nociva à saúde humana, sendo um contaminante perigoso.

O manganês é ainda pior: ele é altamente tóxico e pode se concentrar no fígado, coração e pâncreas, causando doenças como hepatite.

Nesse sentido, a aplicação do filtro é indispensável, principalmente, quando a quantidade de ferro na água ultrapassa os 0,3 mg/L (ou ppm) e/ou o de manganês, 0,1 mg/L (ou ppm).

Já o Filtro para captação de água de chuva é outro componente muito usado para o tratamento de fluidos e, também, tem aplicação doméstica, para quem deseja aproveitar a água da chuva.

Desse modo, é possível contribuir com o meio ambiente, evitando o desperdício de água.

Nas residências, esse filtro pode ser instalado nas calhas coletoras, que irão transportar a água da chuva até o dispositivo e, posteriormente, enviar para tratamento.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *