Coleta seletiva: o que é, como fazer e quais os impactos sociais

Muito se ouve falar sobre coleta seletiva. Mas você sabe o que é e quais são os seus impactos para o meio ambiente?

A coleta seletiva consiste na separação do lixo por tipos de materiais que ele é feito. Assim, alguns deles são mandados para a reciclagem, quando possível. Ou seja, o resíduo é separado de acordo com sua destinação final.

É por meio dessa coleta que se diminuem os resíduos jogados em solos e rios, isso porque não se decompõem rapidamente. Para te ajudar a entender melhor, separamos alguns dados de decomposição por tipo de material:

  • Papel: demora até 6 meses para se decompor;
  • Pano: demora até 1 ano;
  • Saco plástico: demora cerca de 40 anos;
  • Sucata de alumínio: demora cerca de 400 anos;
  • Plástico: demora cerca de 450 anos;
  • Vidro: demora cerca de 1 milhão de anos;

Ao analisarmos essa lista, entendemos o quão assustador é jogar esses resíduos no meio ambiente. Por isso a coleta seletiva é uma ação extremamente importante.

O que é coprocessamento de resíduos?

Uma das alternativas de destinação dos resíduos separados na coleta é o coprocessamento de resíduos.

Por meio dele, os materiais são destinados para a queima na fabricação de cimento. Para explicar melhor, você precisa saber que, para produzir cimento, é necessário um forno muito quente.

Aproveitando que alguns resíduos precisam ser destruídos, eles são utilizados como alimento para o fogo e, assim, auxiliam na fabricação de cimento.

Como fazer a coleta seletiva

Fazer a coleta é muito fácil. Normalmente, existem diversas cestas de lixo espalhadas pela cidade, separadas por cores. As cores são:

  • Amarelo: metal;
  • Azul: papel;
  • Vermelho: plástico;
  • Marrom: lixo orgânico;
  • Cinza: lixo não reciclável;

Fios eletrônicos, normalmente, são feitos de plástico e cobre. Assim, a sucata de cobre também é reciclada e pode ser entregue para empresas de coleta.

No caso dos lixos não recicláveis, alguns deles são: papel higiênico, papéis metalizados, adesivos, fita crepe, fotografias, fraldas descartáveis, espelhos, objetos de cerâmica, isopor, entre outros.

Licenciamento ambiental

Outra forma de realizar o controle e a proteção do meio ambiente é por meio do licenciamento ambiental.

Introduzido pela Política Nacional do Meio Ambiente (1981), é um instrumento que tem o objetivo de controlar a utilização de recursos naturais e fiscalizar construções que podem ser muito poluidoras.

Assim, para que se possa realizar obras, é necessário que o órgão responsável emita uma licença de permissão.

Impactos sociais da coleta seletiva

A coleta seletiva não gera apenas benefícios para o meio ambiente, mas também traz impactos para a economia e a sociedade.

Isso porque existem muitas empresas de coleta que são cooperativas. Assim, todos os trabalhadores conseguem aumentar sua renda conforme a coleta é feita de forma correta.

Além disso, há um estímulo à profissionalização e o aumento de oportunidades de trabalho. De um modo geral, a coleta acaba se tornando um conjunto de alternativas para quem, antes, não encontrava muitas escolhas.

Enxergando tudo isso como um ciclo, podemos pensar que, quanto mais trabalhadores com aumento de renda, mais consumo nos comércios.

Quanto mais consumo nos comércios, mais a economia gira, aumentando o lucro dos comerciantes e diminuindo a inflação.

Com a diminuição da inflação, a população toda se beneficia e consegue consumir ainda mais, girando novamente a economia. É um raciocínio lógico.

Para concluir

Por vivermos em uma época de muito consumo e diversos produtos, a geração de lixo e resíduos é, também, muto grande.

Um exemplo disso são os lixos eletrônicos (pilhas, baterias, celulares e computadores). Quando descartados de maneira incorreta, são extremamente prejudiciais à natureza.

A forma correta de descarte desse tipo de lixo é na própria loja de objetos eletrônicos. Assim, eles encaminharão de volta aos fabricantes, que saberão o que fazer.

Na prática, sem a coleta seletiva, resíduos e lixos que poderiam ser reciclados vão parar nas ruas e nos lixões. Assim, nestes últimos, microrganismos são proliferados, que liberam gases que causam o efeito estufa.

Além disso, o chorume é outra consequência dos lixões, que exalam cheiros fortes e podem causar problemas aos lençóis freáticos e algumas doenças.

Quanto menos lixos nos lixões, melhor o meio ambiente ficará. Por isso a coleta seletiva é tão importante, tanto para a natureza quando para a sociedade, melhorando a qualidade de vida e saúde.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *