Como é o processo de tratamento de água e outras substâncias?

A água é uma fonte de vida para a natureza e para a humanidade. Por isso, investir no tratamento desse recurso natural e outras técnicas de preservação é muito importante.

Uma das atividades que mais degrada essa matéria-prima é a indústria. Neste cenário, o tratamento é um processo fundamental para remover elementos tóxicos e garantir que a água seja potável.

No ramo industrial ou no ambiente doméstico, as formas de tratamento são variadas e o Tratamento de águas residuais industriais pode ser feito de formas complementares. Tudo depende muito das condições da água.

Em alguns casos, é preciso remover gorduras que se incorporam à substância. Em outros, o processo de filtragem ajuda a eliminar a toxicidade. Para auxiliar esses processos, as estações de tratamento como a Ete compacta são fundamentais.

Afinal, antes de chegar até as torneiras ou após passar por um processo industrial intenso, a água passa por uma série de transformações químicas, físicas e biológicas. Quer saber mais sobre como funciona o processo de tratamento dessa e de outras substâncias? Não deixe de ler esse conteúdo!

Tratamento de águas residuais industriais

Toda água que é usada para a indústria ou para atividades diárias como a lavagem de roupas e de louças e a higienização pessoal passa por alterações. Com poluentes ou substâncias tóxicas, essa água é chamada de residual, ou seja, uma água de esgoto.

No caso das indústrias, a quantidade de poluentes pode ser muito maior do que no ambiente doméstico, por isso existe o Tratamento de águas residuais industriais.

Na prática, esse processo serve para remover as substâncias tóxicas da água e evitar que eles sejam descartados de forma inadequada nos rios, no solo ou em outros ambientes da natureza.

Essa prática é muito importante pois quando as águas residuais não são tratadas, há uma série de impactos que podem refletir no meio ambiente. Os mais comuns são:

  • Contaminação da água (e comprometimento da qualidade);

  • Prejuízos para a atividade de pesca;

  • Poluição dos rios e do solo;

  • Desequilíbrio no ecossistema;

  • Comprometimento na geração de energia;

  • Proliferação de doenças.

Como funciona o tratamento?

Para que as águas residuais não sejam descartadas na natureza, há uma série de estratégias e fases de descontaminação. Neste cenário, o uso de equipamentos como as estações de tratamento, como a Ete compacta e a estação para grandes indústrias, facilita bastante o processo.

Esse dispositivo serve para o armazenamento e captação dessas águas e é a partir disso que todos os procedimentos de limpeza e remoção de poluentes são feitos.

Isso acontece por meio de produtos químicos, processos físicos e biológicos. Como são várias estratégias, é comum que outros equipamentos além da Ete compacta, sejam utilizados. Em resumo, as principais etapas de de tratamento da água são:

1. Armazenamento da água

Para que as águas residuais sejam tratadas, elas precisam ser armazenadas dentro das estações. Por isso, é comum que as adutoras (uma espécie de tubulação) carreguem essa matéria para os equipamentos.

2. Solidificação

Também conhecida como coagulação, a segunda fase serve para todas as impurezas presentes na água serem aglutinadas.

Para isso, coagulantes como sulfato de alumínio e cloreto férrico são adicionados na estação.

3. Floculação/decantação

Depois que as impurezas são aglutinadas, elas precisam se transformar em flocos.

Por isso, a floculação existe, nela as substâncias são levadas para tanques específicos. Com um formato mais definido, fica mais fácil fazer a decantação, ou seja separar as impurezas do que sobra de água.

4. Filtração/desinfecção

Como o próprio nome sugere, é nessas fases que as águas residuais são filtradas e desinfectadas.

Além dos filtros e de sistemas de drenagem é comum o uso de substâncias químicas para eliminar bactérias e elementos tóxicos da água.

5. Fluoretação

A última fase consiste na adição do flúor à água. Na prática essa técnica pode ser feita com três tipos de flúor:

  • Fluoreto de sódio;

  • Fluorsilicato de sódio;

  • Ácido fluossilícico.

Juntas, essas substâncias protegem o esmalte dentário das pessoas que vão consumir a água.

Diante dessas etapas, além da ete adequada, é importante destacar que quanto maior a rigorosidade dos processos, melhor a qualidade da água.

Se a qualidade for boa, além de evitar impactos ambientais, há uma redução dos custos com problemas de saúde e isso também influencia nas melhorias de saneamento básico.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) todas essas estratégias colaboram para o desenvolvimento social e a economia na área de saúde pública.

Licenciamento ambiental cetesb

Se a sua indústria está localizada no estado de São Paulo, saiba que além dos processos anteriores é preciso ter um Licenciamento ambiental cetesb.

A ideia é que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo fiscalize todas essas atividades. Cada indústria tem suas particularidades, por isso, as autorizações podem variar conforme o impacto ambiental gerado pela atividade e a localização da empresa.

No caso dos tratamento de água e de substâncias tóxicas, a cetesb exige uma lista de documentos específica. Todas essas informações podem ser consultadas no site da companhia.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *