Por que os transformadores são tão comercializados?

A utilização dos transformadores acontece como via de elevar, isolar ou rebaixar a tensão de entrada para uma determinada tensão de saída na utilização de aparelhos que fazem uso de rede de energia.

A sua funcionalidade se dá em razão da inconstância de tensão condicionada pela rede de distribuição elétrica.

É constituído por um núcleo e duas bobinas, o núcleo é produzido com um material imantável (que possui a capacidade de magnetizar), e as bobinas – classificadas como primária e secundária, são compostas por números de espiras que se diferem e que entre si se isolam.

A bobina primária recebe a tensão elétrica e a secundária transmite a tensão que sofreu a transformação.

Como cada equipamento possui uma função e necessidades de uso específico, o ato de alocar cada item, conforme a demanda exigir possibilita uma absorção melhor da capacidade produtiva e um menor desperdício de recursos.

O comércio de transformadores

O transformador é comercializado com duas linhas de atendimento, a de transformador a seco e o transformador a óleo, métodos que são utilizados para resfriar os equipamentos, já que a corrente que transita pelo sistema gera um alto teor de aquecimento.

O resfriamento que mantém a estabilidade térmica se dá por troca de óleo ou troca de ar com o ambiente, o óleo ainda atua como um isolante da bobina.

As aplicações se distinguem com base na NBR 14039, norma que dita que se o transformador for alocado como parte integrante do maquinário da empresa ele obrigatoriamente tem de ser a seco, transformadores a óleo têm de ser instalados em subestações externas pela periculosidade que o óleo apresenta como altamente inflamável.

O transformador a óleo exige cuidado também quanto ao seu planejamento de instalação e exige atenção constante, pois o vazamento de óleo pode gerar problemas com licenças e multas para a empresa.

A venda de transformadores possui um mercado abrangente em termos da necessidade – que alguns locais acabam apresentando ao serem impossibilitados de funcionar por ausência ou quedas de energia.

Com uma maior concentração de recursos produtivos, a região sudeste do país apresenta um mercado bem competitivo de produção de maquinário elétrico e componentes auxiliares, representando ainda um mercado em expansão e com crescente surgimento de novas empresas e investidores.

A base de funcionamento dos transformadores é a mesma e o que os difere entre si

De forma geral, são as suas aplicações e finalidades delimitadas conforme a sua estrutura e necessidades.

Compreender as funcionalidades dos transformadores que são comercializados pode exigir, em alguns casos, o apoio de técnicos e profissionais da área, mas de forma simples, cada transformador atuará da seguinte forma:

O transformador de potencial atua na alteração de tensão que entra na bobina primária e induz uma tensão na bobina secundária de forma direta e proporcional à da bobina primária.

O transformador de corrente é o que detecta e mede a corrente elétrica que circula pela barra de alimentação e a transforma em outra corrente de valor menor.

A baixa causada na corrente elétrica se dá pela razão da alimentação que alguns dispositivos eletrônicos acabam não suportando quando entram com elevados níveis de corrente.

Os transformadores de distribuição e de força possuem uma ampla utilização por empresas distribuidoras de energia, possibilitando o redirecionamento para os consumidores.

O funcionamento do nobreak industrial

O nobreak industrial é interligado junto com um autotransformador ou um transformador isolador e é utilizado como fonte de alimentação com capacidade regulatória da voltagem e pureza de energia que chega aos equipamentos ligados à eletricidade.

Precavendo que os picos de energia cheguem aos aparelhos no caso de quedas, e com capacidade de alimentação do sistema, no caso problemas no fornecimento de energia, evitando danos e perdas produtivas.

Essa função regulatória do nobreak o permite trabalhar também como um inversor de tensão, em caso de falta de energia, um método criado para, junto dos transformadores, garantir proteção aos equipamentos dependentes desse sistema.

Por não haver muita estabilidade no direcionamento e nas condições das redes elétricas brasileiras, o mercado tem se mostrado positivo para o fabricante de transformadores e equipamentos auxiliares de proteção sistêmica.

Além de se mostrar em constante expansão, há um tempo – o que é bom pra quem precisa adquirir, já que representa uma maior facilidade para encontrar o que se busca e maiores opções quanto à qualidade, e o que se torna melhor ainda pra quem comercializa, obtendo um fluxo de materiais constante.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *